Perguntas sobre Comunismo Luz-Guiadora e Maoísmo

(portugues.llco.org)

12695877_1558830887773885_1359699446_nNós recebemos a pouco tempo algumas perguntas sobre a relação entre o Comunismo Luz-Guiadora e o Maoísmo.

1) O conceito da Organização Comunista Luz-Guiadora (LLCO) sobre Terceiro Mundo é o mesmo do Presidente Mao?

Não. A “Análise de Classes Global” da Luz-Guiadora é totalmente diferente da “Teoria dos Três Mundos” adotada por Mao. Vejamos as diferenças.

Mao Zedong defendeu uma “Teoria dos Três Mundos” nos anos 1970. Mao disse, e com registros históricos, que o “Primeiro Mundo” era constituído dos EUA e da União Soviética. O “Segundo Mundo” reunia imperialistas menores, como países europeus, Japão, Austrália etc. O “Terceiro Mundo” era composto com os países mais pobres. O conceito de Mao era baseado nos interesses nacionalistas, geopolíticos, da China, não em Ciência Proletária. A teoria de Mao foi inventada pra justificar a política externa de crescente nacionalismo tacanho, restritivo, dos anos 1970. Em todo caso, pelo enfoque maoísta, o fator principal que determina a que mundo certo país pertence é o poder militar, agressividade geopolítica etc. Então, mesmo que os países europeus imperialistas tivessem um padrão de vida muito acima do soviético, eles eram parte do “Segundo Mundo” de Mao Zedong por serem menores, militarmente mais fracos. Ao contrário, a Luz-Guiadora encara o Mundo partindo do ponto de vista que Mao, um dia, chamou de “A primeira pergunta da Revolução”: “Quem são nossos inimigos? Quem são nossos amigos?” Nós vemos o Mundo não partindo de intenções nacionalistas e políticas externas oportunistas, mas partindo da questão de classe, do ponto de vista do Proletariado. Nossa Análise de Classes Global vê o Mundo com a intenção de alinhar forças sociais pra fazer a Revolução e eliminar toda forma e exploração e opressão, atingir a verdadeira liberdade, o Comunismo Luz-Guiadora. É por isso que nós dividimos a sociedade em “Mundos” com base no padrão de vida. Aquelas zonas, países, áreas geográficas onde os povos têm os piores padrões de vida estão mais pro Terceiro Mundo. Aquelas zonas, países, áreas geográficas onde os povos têm um padrão de vida mais rico estão mais pro Primeiro Mundo. Nós podemos ver a sociedade dividida dividida numa linha com dois extremos, um lado representando o padrão de vida mais alto, o Primeiro Mundo. O Terceiro Mundo, os piores padrões de vida, estão do outro lado. O “Segundo Mundo” fica numa posição intermediária entre esses mundos. Apesar de nós raramente falarmos sobre o “Segundo Mundo”, ele pode ser visto como aqueles países concentrados nos padrões de vidas medianos.

[Primeiro Mundo] -S-E——————–P-R- [Segundo Mundo] —————-M———–B- [Terceiro Mundo]

Por esse modelo, um país como a Suíça, “S”, com um padrão de vida mais alto, fica mais perto do extremo de Primeiro Mundo que os Estados Unidos, “E”. Um país como Portugal, “P”, fica do lado do Primeiro Mundo, só que perto do meio. A Rússia, “R”, também fica em algum lugar perto da metade da linha [lembre que o Mundo agora vê Brasil-Rússia-Índia-China-África do Sul como quase iguais em poder econômico]. De maneira similar, Bangladesh, “B”, tem um povo mais pobre que o México, “M.” Nesse modelo, os países ricos do Golfo Pérsico ficam do lado do Primeiro Mundo também. Essa forma de análise pode ser aplicada também dentro de cada país. Por exemplo, existem vizinhanças de Primeiro Mundo e áreas no Terceiro Mundo que têm um padrão de vida muito alto. De forma parecida, tem uns pedaços de Primeiro Mundo dentro de países do Terceiro Mundo.

Nós podemos também usar esse modelo pra prever o crescimento de tendências fascistas. O fascismo tradicionalista tem muito mais facilidade de brotar em países do Primeiro Mundo com um padrão de vida mais baixo, como Grécia e Rússia. Países de Primeiro Mundo mais ricos tendem a adotar uma visão mais liberal. Quanto mais próximo um país está do extremo de Terceiro Mundo, maior é sua base social, seu potencial, pra uma Revolução. Por outro lado, quanto maior for o padrão de vida de uma região, quanto mais Primeiro Mundo for um país, menor será sua classe proletária, e maior será sua classe burguesa. É por isso que nós dizemos que não existe Proletariado significante no Primeiro Mundo. Nós devemos desprezar os povos do Primeiro Mundo porque eles se interessam muito mais em preservar e avançar os privilégios deles num sistema que vai acabar se destruindo, seja por insurreição da natureza ou dos oprimidos. Os povos do Primeiro Mundo têm muito, muito mais a perder do que as próprias correntes. Eles têm todo um padrão de vida consumista, confortável, burguês, a perder. O verdadeiro Proletariado não tem nada a perder além das correntes. Por várias e várias vezes, nós vemos os povos burgueses do Primeiro Mundo se oporem à Revolução e às lutas anti-imperialistas. A Revolução segue sua marcha do extremo do Terceiro Mundo em direção ao Segundo Mundo pra que, então, possa atingir o Primeiro Mundo.

2) Por quê nós temos que derrotar o Primeiro Mundo?

12714094_1558831161107191_1746891375_n

“Não tem pra onde correr, AmériKKKa! Não tem canto sujo por onde se esconder!!!”

Há muito tempo, os maoístas na China entenderam que as classes mudaram desde os tempos de Marx. Por exemplo, os maoístas chineses falavam de uma “nova burguesia” que estava crescendo dentro do próprio Partido Comunista Chinês. Liu Shaoqi e Deng Xiaoping eram parte dessa nova burguesia, apesar de eles não possuírem pessoalmente fábricas como a burguesia tradicional da Inglaterra dos tempos de Marx. Poderia Liu Shaoqi dar pessoalmente poder produtivo chinês pros seus amigos ou filhos? Não. A nova burguesia na URSS e na China não era a burguesia tradicional de Marx. A nova burguesia era uma classe burocrática, tecnocrata, que possuía coletivamente a riqueza da China. Essa nova burguesia estava inspirada pela ideologia reacionária. E essa nova burguesia abusou de sua posição pra ir adiante e roubar poder das massas, concentrando ele nas próprias mãos. A questão aqui é que os maoístas a muito tempo reconheceram que novas formações de classe surgiram, classes que Marx não poderia prever. A burguesia trabalhadora do Primeiro Mundo pode até suar a camisa numa fábrica, mas isso não faz ela ser explorada. Ela tem um padrão de vida tão alto, recebem tantos benefícios do Império, que não tem o menor interesse e acabar com ele. Friedrich Engels escreveu a muito tempo como toda a população da Inglaterra estava virando burguesa com o que recebiam da exploração da Índia. Vladimir Lenin escreveu a muito tempo sobre a “aristocracia laboral.” Lin Biao também falou falou do “Campo Global”  que lutaria contra a “Cidade Global.” Todos esses escritores estavam apontando pro fato de que as classes estavam mudando. Assim como os maoístas identificaram uma nova burguesia em seu meio, esses autores estavam identificando uma nova burguesia surgindo dentro dos países ricos e imperiais no que se tornaria o Primeiro Mundo. A luz-guiadora captou essa ideias e avançou elas pra um nível científico completamente novo.

Os maoístas, durante a Revolução Cultural, enfatizaram a importância da observação de Lenin de que “Só é Marxista aquele que estende o reconhecimento da luta de classes até o reconhecimento da ditadura do proletariado.” A muito tempo, os maoístas na China entenderam que a vitória sobre a burguesia era a chave pra avançar rumo ao Comunismo. Eles destacavam a necessidade da “completa Ditadura do Proletariado sobre a burguesia.” Os maoístas chineses não estavam falando só da burguesia da tradição marxista, mas também da nova burguesia que surgia dentro do próprio Partido Comunista. Da mesma forma, nós também temos que fazer uma extensão completa do nosso reconhecimento de luta de classes pra uma completa Ditadura do Proletariado. O marxismo, de verdade, sempre exigiu a derrota da burguesia. E, nos dias de hoje, isso significa derrotar a nova burguesia, o Mundo burguês, o próprio Primeiro Mundo. Assim como isso foi uma linha divisória entre marxismo verdadeiro e revisionismo, no passado, continua também sendo uma linha divisória entre marxismo verdadeiro e revisionismo hoje. Nós temos que derrotar a burguesia, não nos comprometer com ela. Por isso que é nossa obrigação repudiar os venenos revisionistas de Karl Kautsky, Nikita Kruschev, Liu Shaoqi, Deng Xiaoping e os atuais primeiromundistas. Assim como os maoístas na China elevaram o entendimento sobre Ditadura do Proletariado a um nível completamente novo, o Comunismo Luz-Guiadora também avança esse conhecimento da Ciência Revolucionária.

3) Você disse que tem alguns camaradas no Primeiro Mundo. Qual a função desses camaradas no Primeiro Mundo?

564549_209316702503257_1167083659_nO Comunismo Luz-Guiadora quer a Vitória Total através da Guerra Popular Global, e que seja realmente global. Todas as Luzes-Guias, não importa qual seja sua origem ou localização, são nossos irmãos e irmãs. Existe uma longa tradição de indivíduos excepcionais que vêm da classe burguesa e rompem com o próprio passado de classe. O exemplo mais famoso é o próprio Friedrich Engels, que não só deu recursos pra que Marx pudesse sobreviver como se tornou ele mesmo um cientista revolucionário. A Luz-guiadora é um movimento pra todos os Revolucionários de Verdade.

Nós promovemos a ideia de “Revolução no Terceiro Mundo, Resistência no Primeiro Mundo.” Os camaradas do Primeiro Mundo têm o dever de fazer tudo que eles podem pra apoiar a Guerra Popular Global da Luz-Guiadora, especialmente no Terceiro Mundo. Eles também têm a obrigação de criar resistência no Primeiro Mundo. Têm o dever de angariar recursos. Têm o dever de minar o império. Têm o dever de subverter e enfraquecer o Primeiro Mundo. Os camaradas do Primeiro Mundo têm a mesma obrigação de servir ao povo, viver e morrer pelo povo, que qualquer camarada do Terceiro Mundo. Nós não abandonamos a Revolução no Primeiro Mundo, nós só reconhecemos que não é possível em um futuro previsível. Pra conquistar o Primeiro Mundo, nós temos primeiro que libertar o Terceiro Mundo. Isso porque, como disse Lin Biao, a Revolução Mundial começa no campo global e termina na cidade global.

4) Os indígenas, negros, e outras minorias étnicas no Primeiro Mundo são inimigas do Terceiro Mundo?

É importante lembrar que nem todas as minorias/nacionalidades estão na mesma condição. Por exemplo, os asiáticos dentros dos Estados Unidos têm rendas maiores que os brancos. E a comunidade asiática não é homogênea. Eles são chineses, japoneses, vietnamitas, laosianos, Hmongues, Filipinos, Malásios, Indonésios, Coreanos, e de tantos outros países daquele continente. Entre eles, existem grandes diferenças. Por exemplo, os japoneses são mais ricos que os laosianos. Da mesma forma, existem muitas diferenças entre os mais variados povos indígenas. Tem diferenças também entre as comunidades negras. Algumas comunidades negras têm condições muito melhores que outras. O mesmo acontece com os Chicanos, Mexicanos e Latinos. Os cubanos conseguem muito mais riqueza que os Salvadorenhos nos EUA. Tem muitas diferenças entre as populações, e muita variedade dentro das populações. Mas, mesmo existindo essa grande diversidade, como um todo, a maioria desses povos é parte do Primeiro Mundo. Ainda que a qualidade de vida deles normalmente seja inferior à da população branca da América, eles continuam sendo Primeiro Mundo. Como um todo, eles também são parte do Primeiro Mundo. Mesmo assim, tem uns bolsões de Terceiro Mundo dentro dos países do Primeiro Mundo. Alguns povos indígenas nos EUA, e alguns povos aborígenes na Austrália, podem ser considerados Terceiro Mundo. Tem também pequenas porções de pessoas brancas muito pobres também. No entanto, todos esses povos são muito pequenos, fragmentados, isolados e dinâmicos pra servir como base social confiável pra Revolução. Pode ter algumas exceções, mas essa é a regra geral. A linha da Luz-Guiadora é a que diz que não existe um proletariado verdadeiro no Primeiro Mundo. Ou melhor, nós dizemos, não existe proletariado significante nos países do Primeiro Mundo.

Isso não quer dizer que não existem grandes injustiças que possam acontecer com esse ou aquele povo dentro de um mesmo país do Primeiro Mundo. Isso não quer dizer que não devemos ficar escandalizados com as injustiças. Por outro lado, não somos (neo)liberais. Somos revolucionários. Nosso tarefa é fazer a Revolução. E, nós gostando ou não disso, os bolsões de comunidades realmente pobres, exploradas, de Terceiro Mundo dentro do Primeiro Mundo não representam nenhuma base social capaz de fazer uma revolução.

5) Você vê Lin Biao como mais importante que Mao Zedong?

a-vitoriosamente-seguindo

“Avançar vitoriosamente seguindo a linha revolucionária do presidente Mao.”

Mais que olhar pra indivíduos, nós devemos olhar pras linhas políticas. Política no comando, não individualidade! Em alguns casos, a linha de Lin Biao era melhor que a de Mao Zedong. Lin Biao desafiou a guinada de Mao pra direita, incluindo a alianda de Mao com os imperialistas do Ocidente nos anos 1970. Nos anos 1960, Mao criticou Kruschev pela linha de “Coexistência Pacífica” dele com os imperialistas. Nos anos 1970, o próprio Mao apertou a mão dos imperialistas ocidentais. Assim como os soviéticos, Mao estava colocando os interesses nacionais acima dos interesses do Proletariado Internacional. Isso era parte da reversão direitista da China dos anos 1970. Mao favoreceu uma geopolítica centrada na China nos anos 1970. Lin Biao favoreceu um esforço pela ajuda às Guerras Populares e lutas anti-imperialistas. Lin Biao defendeu as Guerras Populares; Mao defendeu os interesses nacionais. Além disso, Lin Biao acertou em destacar que a Revolução Global iria se proceder do “campo global” pra “cidade global”. Lin Biao também quis continuar radicalizando a Revolução Cultural depois de 1969, enquanto Mao se mobilizou pra trazer de volta os direitosos e revisionistas que tinham caído. Lin Biao seguiu pra esquerda depois de 1969; Mao seguiu pra direita. Nesses pontos, Lin Biao foi muito melhor do que Mao. No entanto, considerando toda a História, Mao foi uma figura muito mais importante que Lin Biao. Foi Mao, não Lin Biao, quem guiou a Revolução Chinesa. Foi Mao o escritor ideológico mais importante da Revolução Chinesa e da onda de Revoluções maoístas pelo mundo. Lin Biao foi uma Luz-Guiadora, mas Lenin e Mao são as duas Luzes-Guiadoras mais brilhantes das Revoluções do século XX. Pense nisso: Mao foi o líder de uma Revolução Proletária que levantou um quarto da humanidade. A estrela dele brilha com muita, muita força.

Maos o nosso dever mais fundamental é com a Ciência Revolucionária, Comunismo Luz-Guiadora, não com o legado de líderes individuais. Todas essas Luzes-Guiadoras do passado – Marx, Lenin, Mao Zedong, Lin Biao etc. – foram grandes heróis, líderes, servos do povo. Eles incorporaram muito do que existe de melhor na humanidade. Eles incorporaram nossos melhores egos, nossas melhores aspirações. Mas a história não parou quando Mao morreu. A Ciência continua avançando. Hoje, nós desenvolvemos a Ciência da Revolução num nível completamente novo pra dar início a uma nova onda revolucionária. Assim como Lenin avançou as ideias de Marx, e Mao avançou as de Lenin, nós avançamos todas elas. O Comunismo Luz-Guiadora é o futuro.

6) Você diz que o Comunismo Luz-Guiadora é o nível mais alto de Ciência Revolucionária. Qual é a diferença entre o Comunismo Luz-Guiadora e tradicional Marxismo-Leninismo-Maoísmo?

O Comunismo Luz-Guiadora é um avanço geral da Ciência Revolucionária. O Comunismo Luz-Guia avançou em cada área da Ciência Revolucionária. Não é possível apontar aqui numa lista todos os avanços que nós fizemos. Apesar disso, nós vamos focar em alguns avanços-chave:

O Comunismo Luz-Guiadora integrou as descobertas mais avançadas de hoje pra criar uma epistemologia realmente científica, uma epistemologia que une os melhores aspectos do materialismo marxista com avanços contemporâneos em lógica, linguística, ciência cognitiva e neurologia, e análise estatística. Grandes avanços estão acontecendo nessas áreas do conhecimento e, se o Marxismo não se adaptar, ele vai continuar congelado em metafísica. A Ciência não se congelou quando Mao morreu em 1976. Os capitalistas estão sempre avançando a ciência da opressão e, se não avançarmos junto, continuaremos perdendo pra sempre. Temos que travar uma luta ativa e enérgica contra os capitalistas avançando a Ciência da Revolução, o Comunismo Luz-Guia. Essa é a ideia que está no coração do nosso avanço científico pra um nível completamente novo.

O Comunismo Luz-Guia avançou a Economia-Política pra um nível totalmente novo. A Luz-Guiadora criou uma nova teoria da Análise de Classes Global que revela como as classes funcionam a nível global no Mundo de hoje. A Análise de Classes Global nos mostra que a base social pra Revolução existe quase exclusivamente no Terceiro Mundo. Nenhum proletariado significante existe no Primeiro Mundo. A Luz-Guiadora mostra como a burguesia moderna e o Proletariado mudaram. Não só as novas formas de burguesia que surgiram no Primeiro Mundo, mas também a importância das mudanças demográficas do Terceiro Mundo são destacadas pela Luz-Guiadora.

A [Organização] Luz-Guiadora avançou nosso entendimento de gênero. Ela mostra como, assim que o império mudou as dinâmicas de classe, também mudaram as dinâmicas de gênero. Os povos do Primeiro Mundo como um todo têm garantidas muito mais opções de vida às custas dos povos do Terceiro Mundo. Isso é uma verdade pra homens e mulheres. As mulheres do Primeiro Mundo conquistaram cada vez mais acesso aos privilégios tradicionais dos homens do Primeiro Mundo. Isso é consequência do crescimento do liberalismo e da social-democracia no Primeiro Mundo. Porém, temos que nos perguntar: QUEM PAGA POR ISSO? As mulheres do Terceiro Mundo geralmente experimentam as piores formas de opressão patriarcal. O patriarcado no Terceiro Mundo é usado como maneira de aplicar formas horríveis de apartheid de gênero. O patriarcado, especialmente em regimes semi-feudais, é usado pra explorar e controlar mulheres no Terceiro Mundo. Então, nós temos uma situação em que as mulheres do Primeiro Mundo ganham privilégios novos a cada ano, cada vez mais opções de vida, pelas costas do imperialismo continuado e da opressão semi-feudal, patriarcal sobre homens e mulheres do Terceiro Mundo. Isso cria uma situação onde as mulheres do Primeiro Mundo não tem interesses de gênero em comum com as mulheres do Terceiro Mundo. As do Primeiro Mundo podem querer igualdade de gênero com os homens do Primeiro Mundo, mas o estilo de vida dos dois exige a permanência do barbarismo patriarcal, semi-feudal, imposto sobre as mulheres do Terceiro Mundo (por exemplo, quando o número de mulheres europeias com acesso ao trabalho e ao crédito sobe, elas vão correndo pras lojas comprar roupas. Essas roupas são feitas em países pobres, como a Índia, por mulheres com salários miseráveis, que trabalham expostas a todo tipo de toxina têxtil e sofrem com a onda de estupros tão frequente por lá, dentre outras opressões de gênero. O conforto de umas garantido por um sistema que só reserva dores e morte pra milhões de outras). É por isso que homens e mulheres do Terceiro Mundo têm interesses comuns muito distantes dos sonhos de homens e mulheres do Primeiro Mundo, tanto de classe quanto de gênero.

A Luz-Guiadora avançou ainda mais longe na Ciência Militar Revolucionária. A Revolução no Mundo Contemporâneo é questão de desenvolver a Guerra Popular Global da Luz-Guiadora, uma guerra popular em escala mundial do Mundo Proletário contra o Mundo burguês. Isso é uma guerra total, uma guerra contra o Primeiro Mundo como um todo, contra a própria ‘civilização’ do Primeiro Mundo! Isso exige novas formas de guerra popular, teoria e prática avançadas. As mudanças demográficas, o crescimento das favelas, teve implicações profundas na arte de guerrear. O crescimento das classes moradoras de favelas no Terceiro Mundo revela que as Revoluções do futuro não podem ser pensadas só em termos de “campo x cidade”, mas também nos termos da atuação crescente das favelas. A tecnologia da informação, guerra psicológica, o fortalecimento das forças aéreas, satélites, robótica etc. terão importância muito maior nos futuros conflitos (enquanto isso, muitos teimosos que insistem em renegar o Comunismo Luz-Guiadora e insistir com suas táticas dos anos 1970, 1940 ou até 1910). As novas tecnologias e abordagens devem ser incorporadas às estratégias contemporâneas, se alguém quer realmente vencer. A lei revolucionária do Poder Popular ainda é fundamental, mas o Poder Popular, pra vencer, tem que ser focado em métodos mais concentrados, avançados, de chegar à vitória. “Sem teoria, a prática é cega.”

A Luz-Guiadora avançou também nosso entendimento sobre a história da Revolução, da Contrarrevolução, e da construção socialista. Nós avançamos pra um novo nível o entendimento sobre a subida do revisionismo e da restauração capitalista. A Luz-Guiadora mostra como a Teoria das Forças Produtivas , o paradigma policial e certos conceitos de bondade humana são interligados. Apesar de tanto a União Soviética quanto a China, em suas fases revolucionárias, serem exemplos brilhantes, elas estavam erradas de várias formas importantes. A Luz-Guiadora oferece a explicação mais avançada pras imperfeições das ondas revolucionárias anteriores. Isso nos dá informações importantes sobre como fazer melhor na próxima vez.

A Luz-Guiadora também melhorou o entendimento Marxista sobre a ecologia. Nós mostramos como o Marxismo passado falhou em entender a importância da natureza. Por exemplo, a natureza tem um papel importante dentro de economia-política. Uma maneira de avaliar ainda melhor o parasitismo do Primeiro Mundo como um todo é olhar pros padrões de consumo. O Primeiro Mundo simplesmente não é sustentável. Os níveis de consumo do Primeiro Mundo, o modo de vida do Primeiro Mundo, está matando o Planeta, nossa grande casa comum. O consumismo do Primeiro Mundo é uma ameaça ao próprio ecossistema global e à sobrevivência de toda a vida, incluindo o Proletariado! Por isso que é uma parte importante de qualquer Revolução do futuro colocar o cuidado e a defesa da natureza na vanguarda. O Novo Poder do Proletariado tem que ter uma visão sobre a natureza fundamentalmente diferente da visão reacionária, que ameaça a todos nós com extinção. As experiências socialistas passadas falharam vergonhosamente com esse cuidado, enquanto a (Organização) Luz-Guiadora diz que a Ciência ecológica mais avançada é parte-chave, crucial pra Ciência Proletária mais avançada dos nossos dias, o Comunismo Luz-Guiadora.

A Luz-Guia oferece um entendimento científico avançado, novo, sobre a construção socialista. Nós estamos tentando eliminar milênios de organização social e programação social opressivas. Por milhares de anos, o poder, a economia, e a cultura foram organizados das maneiras mais terrivelmente opressivas. Marx descrevia o projeto dele como Socialismo Científico e Comunismo, aplicando a melhor ciência no desafio de eliminar toda a opressão. É por isso que as Revoluções do passado precisam ser vistas como experimento científico. Assim como os Bolcheviques avançaram sobre Marx e tentaram chegar mais cedo ao Comunismo (lembre: eles não viviam num país industrializado e venceram, ao contrário das previsões de Marx), os maoístas avançaram sobre os Bolcheviques. De maneira similar, Cientistas Revolucionários de verdade reconhecem que nós precisamos avançar sobre a Revolução de Mao. Se Mao fizesse tudo certo, ele teria vencido. O socialismo continuaria existindo na China se a tradição Marxista-Leninista-Maoísta sozinha fosse a resposta. Desde a restauração capitalista na China, o Mundo mudou de várias maneiras. Temos que aprender com os mestres que vieram antes de nós, mas temos um dever com as massas, que é o de armar elas com a Ciência Revolucionárias mais avançada. Qualquer coisa fora disso é traição.

O Comunismo Luz-Guiadora fez avanços em numerosas outras áreas: Alta e Baixa Ciência, estética, Revolução Cultural, Frente Unida, Novo Poder, e muito mais. O Comunismo Luz-Guia é o verdadeiro avanço, não simples retórica vazia, repetição de slogans, cultismo. Os avanços científicos são tão numerosos e profundos que não é possível articular eles num formato tão simples quanto uma resposta a uma entrevista. A Luz-Guiadora elevou todos os aspectos de Ciência Revolucionária a um novo nível. As luzes-guias não são seguidores de Avakian que não oferecem nada além de ecleticismo e retórica vazia. Luzes-guias não são Prachandistas que usam a capa de inovação pra revisar o coração revolucionário pra fora do Marxismo. Ser Luz-Guiadora não é praticar cultismo vazio, repetição bombástica de slogans. E estudar e praticar avanços científicos verdadeiros que preservam e elevam o melhor do Maoísmo – Revolução Cultural, Guerra Popular – mas colocando tudo isso num novo nível de qualidade.

Temos um caminho pra seguir em frente. Marxistas Verdadeiros, Leninistas verdadeiros, Maoístas Verdadeiros não são metafísicos com dogmas congelados. Marxistas, Leninistas e Maoístas de verdade são Cientistas Revolucionários. Ser um Maoísta de verdade no Mundo atual requer ir além de Mao. Isso é o que a Ciência pede. Ser um Maoísta sempre significou aderir à Ciência Revolucionária mais avançada, não ficar só lendo os trabalhos de Mao. Maoísmo de verdade é Ciência, não religião posando de ciência. É por essa razão que o dever de todos os Maoístas de verdade é ir além de Mao, adotar a Ciência Revolucionária mais avançada de hoje. E isso quer dizer, enfim, se juntar á Organização Comunista Luz-Guiadora.

11159559_695802223862978_9086717971403673356_n

“Nosso dia está pra chegar!”

Respondida pelo Comandante Campo Flamejante.
Traduzida pro português por Rivaldo Cardoso Melo.