Abaixo à Guerra no Irã!

Povo iraniano em luto e protesto pela morte do General Qassem Soleimani

10 de Janeiro de 2020
portugues.LLCO.org

No dia 3 de Janeiro de 2020, o general iraniano Major Qassem Soleimani e 9 outros foram mortos em um ataque aéreo dos EUA no Aeroporto Internacional de Bagdá. Pela da Carta da ONU, o assassinato de Soleimani é ilegal e uma violação clara ao Direito Internacional. Está claro que a decisão unilateral para atingir o General é uma provocação contra o Irã que é equivalente a um ato de guerra.

Sem nenhuma surpresa, a mídia dominante dos EUA está fazendo tentativas para retratar o ataque como um ato de “autodefesa” enquanto demoniza Soleimani como “o no. 1 dos maiores homens maus no planeta,” “responsável pelas mortes de milhares de americanos.” Claro, isso ignora completamente o fato de que os EUA tem tentado provocar o Irã desde 1979, ou que Soleimani era instrumental ajudando a Síria, como também o Líbano, Iraque, e Iêmen, derrotando os terroristas de ISIS e outros listados na Al Qaeda, ambos forças representantes dos interesses americanos, apoiadas por eles e seus parceiros na região.

Esse assassinato por mísseis não é na primeira vez que os Estados Unidos violaram Direito Internacional descaradamente com impunidade. No mínimo,isso foi um exagero além do esperado pras hostilidades que EUA vem montando pro Irã à medida que Washington continua impondo sanções, conduzindo guerras de propaganda, e se apoiando em operações secretas da CIA pra tentar desestabilizar o país. Estas provocações mais recentes provocações seguem a retirada unilateral dos EUA do acordo nuclear Plano Inclusivo de Ação, um acordo que, por todas as contas, o Irã estava cumprindo.

É altamente compreensível que as pessoas de Irã estejam exigindo justiça e retribuição muito mais que merecidas ao mesmo tempo que continuam lutando contra o imperialismo dos EUA. Na realidade, foi só dois dias depois de anunciado o assassinato que o Irã levantou a “bandeira de vingança” cor vermelho-sangue na cidade de Qom, enquanto milhares de iranianos continuam lamentar a morte de Soleimani.

Enquanto o Irã demonstrou sua decisão de se defender lançando ataques de míssil muito específicos contra duas bases militares dos EUA no Iraque, revelando suas capacidades avançadas de projéteis balísticos, mas evitando fazer vítimas americanas, parece que os Estados Unidos vem se retirarando enquanto lançam um completo ataque de larga escala contra o Irã, pelo menos por enquanto, optando por isso em vez de aumentar as sanções contra o país (se as palavras de Trump merecessem crédito). No entanto, os EUA mantém numerosas aeronave de assalto na região, inclusive F-22s e F-35s como também seis bombardeiros pesados B-52, que foram recentemente trazidos da base norte-americana de Diego Garcia no Oceano Índico. Tensões entre os EUA e o Irã permanecem altas, e ainda é possível que uma guerra começe com potencial pra se espalhar por toda a região do Oriente Médio.

Não podemos demonstrar o bastante que é nosso dever como comunistas tomar uma posição de princípios contra imperialismo e reconhecer o direito do Irã como uma nação soberana de se defender por quaisquer meios necessário. Um entendendo mais sofisticado de política externa dos EUA é muito necessário pra um movimento anti-guerra nas nações imperialistas revitalizado, de base. Isso também nos relembra que guerras de agressã imperialista nunca são verdadeiramente pra lutar por “democracia” ou “direitos humanos” nas nações atingidas porque, no núcleo delas, essas guerras foram sempre um exercício internacional de dominação pelo saque econômico das nações oprimidas. Enquanto o império se apóia em uma estratégia de dividir-e-conquistar pra manter seu domínio global, é essencial pros povos amantes da paz de todo o Mundo apoiar uma estrondosa Frente Unida contra imperialismo dos EUA. Os trabalhadores de todo o Mundo devem se unir com base nos interesses de classe comuns de derrotar o capitalismo e o imperialismo, estabelecer um mundo justo, igualitário, e sustentável sob a glória e razão do socialismo, onde a paz e o desarmamento global possam ser alcançados de verdade!

Traduzido por Rivaldo Cardoso Melo

Deixe uma resposta